Voltar ao (Im)pertinências



Um glossário pertinente de termos impertinentes
E

Ecoanomia

Um sistema económico em que não são válidas as leis da economia; os agentes ecoanómicos encontram-se num estado de dissonância cognitiva não se-governando-se, nem se-deixando-se governar, pelas regras económicas correntes nas economias.

Economia mediática

Aquilo de que falam os «200 palhaços que vão à televisão falar de economia» (professor João César das Neves). Disciplina que compreende desde uma caldeirada de desconchavos e demagogia (worst case) até às maiores banalidades (best case) e que em média é bastante medíocre.

Efeito Lockheed TriStar

Nos finais dos anos 60 a Lockheed desenhou um novo avião para concorrer com o Boeing 747, que usaria motores revolucionários especialmente desenhados pela Rolls Royce.

Primeiro desastre: a Rolls Royce entrou em falência para produzir os motores a um custo 4 vezes superior ao orçamentado. Para piorar as coisas, o choque petrolífero de 1973 aumentou o preço do jet fuel a um nível que tornou economicamente inviável para as companhias de aviação a operação do Tristar com esses motores excessivamente gulosos, desenhados para os tempos do petróleo a pataco.

Segundo desastre: a Lockheed, com o argumento de já ter investido muitos milhões de dólares, decidiu continuar a investir e a produzir o L-1011 TriStar para não perder o investimento já realizado.

Em resultado, ao fim de 14 anos de produção, a Lockheed vendeu, a preços de saldo, metade do volume de break-even e perdeu várias vezes o valor que teria perdido se interrompesse a produção em 1974, quando já era claro que o avião era inviável.

Ejaculação do órgão legislativo

Tal como o macho, em muitas espécies, termina o seu papel face aos nascituros, futura prole, com o disparo genital, assim a assembleia da república com as suas leis, o governo com os seus decretos-lei, decretos, decretos regulamentares, portarias, e as câmaras municipais, que tal como as galinhas, fazem posturas, terminam o seu papel com o diploma ejaculado. A este acto podemos, com toda a propriedade, chamar ejaculação do órgão legislativo, que costuma produzir esperma infértil e com bichinhos sem cabeça, à imagem do órgão

Eles (socialês)

  1. Os culpados da nossa miséria (dos fascistas aos liberais, passando pelos comunistas e, sempre, os espanhóis, e, desde que transferimos a soberania para Berlim, os alemães, e, em alternância, o governo e a oposição).
  2. Os que nos deveriam pastorear no caminho da miséria para a felicidade (quase todos os referidos).
Antónimos: EU (que não sou parvo e não tenho nada a ver com isso) e NÓS (EU, a minha MÃE, a minha patroa, os putos, os amigos, talvez o clube, e o partido, às vezes)

Emplastro

Um sujeito que não servindo para nada, senão para confundir e atrapalhar, é um candidato permanente aos chateaubriands. Os emplastros são geralmente pessoas bem intencionadas, bons samaritanos, tipo mãe ansiosa, tudo aceitando, tudo compreendendo. Gostariam de espalhar a sua fé nos milagres da tolerância, mas faltam-lhes (felizmente!) as ganas e a persistência para o fazerem, ficando pelas boas intenções. Exemplos de emplastros: os multiculturalistas, os ambientalistas compulsivos, e em geral quase todos os sociólogos e antropólogos, profissões onde o emplastrum é endémico e que, por isso, emplastram tudo onde tocam.

Encalhada

Uma nau catrineta varada nas areias, sem capitão, nem marujos, com um gajeiro cego, numa noite escura, esperando que a desvairem.

Engenharia financeira

Actividade de extorsão futura dos sujeitos passivos, sobreviventes da grande hecatombe fiscal, para pagar elefantes brancos promovidos pelos actuais governantes. Eventualmente, os sujeitos passivos do presente aceitaram distraidamente fruir com alegre inconsciência desses elefantes brancos.

Esquerda inteligente

Há quem defenda que existe uma contradição nos termos esquerda e inteligente. Mas são fanáticos de direita a quem não devemos emprestar os ouvidos. Definir esquerda é complicado, mas é possível formular a coisa duma forma simples. Para mim, esquerda é o credo que sacrifica a liberdade em nome da igualdade, na dúvida (esquerda «democrática») ou sempre (a «outra» esquerda).

Dependendo do tamanho da certeza ou da dúvida, podemos aqui meter toda a gente de esquerda – desde o doutor José Estaline, que nunca tinha dúvidas e raramente se enganava, até ao engenheiro Guterres, que só tinha dúvidas e estava sempre a enganar-se. Definir inteligente é estupidamente difícil. Para simplificar, inteligente é aquilo que consigo suportar sem agonia – é um bocado subjectivo, mas o blogue é meu.

Esquerdalhada

Uma turba de órfãos políticos, intelectuais desocupados, esquerdistas senis, feministas MF, gays, lésbicas, bissexuais pusilânimes, e, em geral, a infantaria do politicamente correcto.

Por vezes, dependendo da meteorologia, também podemos meter no saco da esquerdalhada toda a esquerda - os crentes do credo que sacrifica a liberdade em nome da igualdade, na dúvida (esquerda «democrática») ou sempre (a «outra» esquerda).

Esquerdismo senil

Se o esquerdismo foi a doença infantil do comunismo, no seu período de ascensão, segundo o camarada Ulianov revelou aos crentes no 2º Congresso da Internacional, então depois do seu colapso generalizado, poderemos dizer que o esquerdismo é a doença senil do socialismo?

Rectificação: o colapso do comunismo não foi generalizado - há um pequeno edifício na Rua Soeiro Pereira Gomes que lhe escapou.

Estado napoleónico-estalinista

Um estado omnipotente e omnipresente que oprime uma nação colectivista da Óropa que mantém com ele uma relação de amor-ódio. Um estado governado por eles. Um estado que alimenta uma vaca marsupial pública. Em poucas palavras: um estado em que «a mera mudança de nome para Y Dreams demorou um ano» (António Câmara, antes de se ter transformado num empresário modelo do jornalismo promocional).

Estado de Sítio

Ver Áreas temáticas

Onde se dão exemplos do quotidiano do estado em que se encontra o estado napoleónico-estalinista e do sítio que este estado faz aos seus cidadãos.

Estado Sucial

É um estado dum Estado que tira cada vez mais de nós e dá cada vez menos a cada vez mais, até ao ponto em que tirará quase tudo a quase todos e dará quase nada a quase todos. É veículo ideal no caminho para a insolvência

Estatísticas de causas

Estatísticas produzidas por um «Instituto Nacional de Sensações (ou de Palpitações)» para alegria dos economistas de fé e animação do povo. As estatísticas de causas dão razão, com uns bons 150 anos de atraso, a Benjamim Disraeli, primeiro ministro de SM da rainha Victoria. «There are lies, there are damned lies, and there are statistics», escreveu ele premonitoriamente, mesmo sem ter tido a oportunidade de conhecer a produção do INS.

Estórias e morais

Uma colectânea de pretextos para o Impertinente soltar a sua bazófia moralista.

Estradista

Um político que substitui visão política, capacidade de liderança e outros atributos geralmente associados a um estadista, pela quilometragem nas campanhas eleitorais em que participa e pelo pastoreio das ovelhas do partido.